Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Como Hermione

     Tanto os livros como os filmes têm o mesmo objetivo: contar uma história. A forma como o fazem é, necessariamente, diferente. Os primeiros utilizam as palavras, que levam à criação de cenários e personagens diferentes, de acordo com a imaginação de cada leitor. Os segundos dão preferência às imagens e aos sons. Se a forma de contar a história é diferente, a forma como transmitem uma mensagem e a forma como ela é recebida é, também, distinta.

    Hoje trago uma lista de 5 filmes que foram baseados em livros. A escolha destes 5 filmes não foi aleatória: escolhi as histórias que já li e que mais gostei. Espero que também gostem!

 

   As Serviçais

 

as sevicais.png

Filme de 2011

     América, 1962. As mulheres estão destinadas às tarefas domésticas, os negros estão destinados a servir os brancos.

     Skeeter, uma rapariga de 22 anos regressa a casa após terminar a faculdade. Aibileen, uma criada, já serviu em várias casas e já viu crescer 17 crianças. Minny, também uma criada, é uma excelente cozinheira que não consegue ficar calada.

     Se nesta época, os negros (e as mulheres) são vistos como inferiores em relação aos brancos (e aos homens), o destino irá juntar estas três mulheres e, juntas, vão criar uma revolução na cidade onde habitam.

     É um livro inspirador, com acontecimentos tristes misturados com acontecimentos divertidos e cheios de esperança!

 

   A Rapariga que Roubava Livros

 

rapariga que roubava livros.png

Filme de 2013

     São muito raros os livros que me fazem chorar e este faz parte desse número.  Este livro já teve direito a uma resenha. Podem lê-la aqui.

     Alemanha, Segunda Guerra Mundial. A história é narrada pela Morte e conta a história de uma menina chamada Liesel Meminger.

     Aos nove anos, Liesel é adotada pelo casal Hubermman, após ter assistido à morte do irmão mais novo e de, muito provavelmente, os seus pais terem sido enviados para os campos de concentração nazi.

     Ao longo da história, Liesel vai desenvolvendo um amor pela literatura e pelos livros, aprende a ver os Hubermman como seus pais, ao mesmo tempo que vive de perto os efeitos da guerra e, em especial, o preconceito que existe contra os judeus.

 

   Orgulho e Preconceito

 

orgulho e preconceito.png

Filme de 2005

     Se o livro anterior foi dos poucos que me fez chorar, este foi dos poucos que me prendeu logo desde a primeira linha. Adorei lê-lo, devorei-o num instante (e eu que nem gostava de romances…)!

     A família Bennet, de classe média, é composta pelos pais e por 5 filhas. Elizabeth Bennet, a segunda filha mais velha, é uma mulher calma, ponderada e independente.

     Quando Mr. Darcy, membro da alta sociedade, chega à cidade, a primeira impressão que têm um do outro não é a melhor: Elizabeth considera-o arrogante e pretensioso, Darcy recusa-se a conviver com ela por Elizabeth pertencer a uma classe inferior.

     Ainda que esta seja uma história de amor, é, também, uma história que retrata uma sociedade cheia de preconceitos.

 

   Um Crime no Expresso do Oriente

 

crime no expresso do oriente.png

Filme de 2017

     Para quem ainda tenha dúvidas, vamos esclarecer duas coisas: Agatha Christie é a rainha do mistério e Hercule Poirot é o melhor detetive que existe!

     Estamos a bordo do comboio Expresso do Oriente e é inverno. Um nevão obriga o comboio a parar e, durante este tempo, acontece o crime. Na manhã seguinte, é descoberto o corpo de um homem de negócios, também conhecido por ter cometido um crime horrível, apunhalado até à morte.

     Poirot, antes deste acontecimento, já tinha sido abordado pelo morto, que suspeitava que alguém andava atrás dele, e pediu ajuda ao detetive. Apesar de na altura ter recusado, agora Poirot aceita tentar desvendar este mistério. Para além de encontrar muitas pistas, também encontra muitos suspeitos.

     Aqui no blogue, já fiz uma resenha a algumas pequenas histórias de Agatha Christie (ver aqui). Como escrevi na altura, o que eu mais gosto nos livros desta autora é o facto de que nada é imediato, ou seja, apesar de irmos acompanhando as investigações dos crimes, cada capítulo é uma surpresa e só no final é que descobrimos os verdadeiros culpados.

     Se gostam de histórias de crime e mistério, têm de ler Agatha Christie! 

 

   Comer, Orar, Amar

 

comer orar amar.png

Filme de 2010

     E, finalmente, para quem quiser uma leitura leve, este livro é o indicado.

     Elizabeth Gilbert (a autora e personagem principal da história), apesar de ter uma vida, aos olhos de muitos, estável e de sucesso, não sente que essa seja a sua realidade. Após se separar do marido, decide abandonar tudo e partir à aventura.

     Em Itália, aprendeu uma nova língua (italiano), rendeu-se ao prazer e à comida. Na Índia, dedicou o tempo à sua descoberta espiritual, com a ajuda de um guru indiano. Na Indonésia, (re)aprendeu a amar, enquanto se tornou aluna de um velhote feiticeiro. Esta aventura dura 1 ano e livro é uma autobiografia que retrata esse período.

     ADOREI o livro. Sim, escrevi a palavra “adorei” toda em letras maiúsculas de propósito, não foi engano. Adorei ler o livro porque, quando o terminei, senti-me bem, senti-me leve e com grande vontade de partir numa viagem semelhante à da autora e de descobrir a minha própria espiritualidade. Não sei colocar em palavras o que senti, não tenho jeito para isso, mas, simplificando, senti algo que nenhum outro livro me fez sentir. E isso já é um bom começo, não?

 

     Nota 1: Nenhuma das imagens aqui apresentadas é da minha autoria.

     Nota 2: Todas as capas dos filmes foram retiradas do site IMDB.

     Nota 3: Todas as capas dos livros foram retiradas do site GoodReads.

 

5 comentários

Comentar post